Liberdade, diversão e saúde são os principais motivos que fizeram com que o ciclismo caísse de vez no gosto popular.

A bicicleta tem se destacado nos últimos anos especialmente entre os mais jovens, pelo baixo custo e sustentabilidade. Eles não se importam com o horário, o lugar e muito menos a distância das rotas.

Segundo pesquisa do Ibope, entre 2013 e 2014 houve aumento de 50% dos praticantes do ciclismo só na cidade de São Paulo.

Na cidade de Jundiaí não está sendo diferente. Com o aumento do número de amantes das “magrelas”, a administração tem dado uma atenção especial na criação de ciclofaixas.

Em 2011 Avenida Luiz Latorre recebeu a primeira ciclofaixa da cidade, posteriormente o Jardim Botânico e o Parque da Cidade foram interligados pelo espaço, além dos parques nos bairros Eloy Chaves e Jardim das Tulipas que também receberam a via.

Com o aumento de praticantes do ciclismo, houve também aumento no número de acidentes envolvendo cliclistas, que na maioria das vezes são vítimas da violência no trânsito.

No ano de 2014 foram registradas 47 mortes envolvendo ciclistas na cidade de São Paulo. A falta de planejamento urbano tem causado grandes prejuízos tanto para os praticantes do ciclismo quanto para os motoristas.

Em entrevista ao site da Carta Capital, o sueco, Fredrik Gertten, diretor do longa-metragem “Bikes vs Carros”, fala sobre os problemas que as grandes cidades enfrentam atualmente, defendendo o uso da bicicleta.

Quase todo o filme foi gravado na cidade de São Paulo.