Ênio Alberto Fregolente é um chato. Mas apenas quando o assunto é decidir se um carro antigo merece ou não a tão valorizada placa preta, o símbolo máximo de que o veículo conserva suas características originais.

No dia-a-dia, Ênio Alberto, o Beto, diretor técnico e um dos fundadores do Clube do Carro Antigo de Jundiaí — que comemora 30 anos com uma grande exposição neste final de semana (25 e 26) no Parque Comendador Antonio Carbonari — é uma pessoa tranquila e agradável.

O assunto é sério. Afinal, ter um placa preta significa acrescentar até 40% mais no preço final do veículo. “Não dá pra deixar passar o que não está certo”, diz. “Tem gente que não gosta muito”.

A paixão por carros antigos vem de criança, quando aprendeu a admirar o impecável Chevrolet Bel Air 1956 verde do avô Orestes, que herdou e mantém até hoje.

O conhecimento veio com o tempo, conversas, viagens e, atualmente, com o auxílio da Internet. Se existe alguma dúvida na hora de avaliar um veículo, ele consulta os sites especializados, onde pode encontrar os detalhes de veículos às vezes com mais de 50 anos de fabricação. Amar veículos antigos é uma prática mundial.

Para que um veículo possa receber uma placa preta ele deverá ter mais de trinta anos, manter as características originais e pertencer a uma coleção (tudo isso está na lei da placa preta – Res. nº 58/96 do CONTRAN).

A “coleção” nada mais é que o acervo do Clube onde o proprietário do veiculo é sócio. É por isso que o dono do veiculo tem que ser sócio de um clube reconhecido pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). Nada mais justo, pois é o clube que vai ser o responsável pelo seu “Certificado de Originalidade”.

Além de Ênio Alberto, o clube tem outro diretor técnico, Valmir Lopes Espeleta. O certificado só é conferido com as assinatura dos dois dois e também do presidente Osvaldo do Amaral.

O Clube do Carro antigo de Jundiaí é credenciado e autorizado pelo Denatran a emitir as placas pretas e, desde o ano passado, faz isso diretamente, diminuindo muito a burocracia para o associado. “Foi uma grande luta do Clube, mas conseguimos ser aprovados em todas as etapas e hoje podemos emitir as placas diretamente”, conta Beto.

A grande procura pelo benefício e as pressões de certos donos de carros antigos não tanto originais fez com que o Clube do Carro Antigo tornasse mais rígidas as regras para a obtenção do benefício. Hoje, para conseguir a placa preta, o proprietário além de ter um carro em excepcional estado de originalidade precisa ser sócio do clube há mais de um ano.

“Isso evita algo que a gente vinha percebendo: o comércio de veículos de placa preta. A pessoa chegava aqui, solicitava a placa. Conseguia. Meses depois vendia o carro e aparecia com outro modelo semelhante buscando novamente a placa preta”.

Para ser sócio do clube, porém, não é preciso ter um carro totalmente original. Basta que seja antigo. Hoje são mais 250 associados, que se reúnem mensalmente na sede da entidade (rua Aristeu Dagnoni, 15). Até mesmo quem não tem carro pode ser filiado. Basta gostar de carros antigos.

Os interessados em colocar a placa preta devem procurar o clube no segundo domingo do mês, quando acontece os encontros, para fazer a vistoria, onde são checados todos os itens de segurança e a originalidade do veículo. Uma roda fora de medida ou um motor pintado fora do padrão original de fábrica já são motivos para a desclassificação.

Ênio Alberto conta que existe muita pressão por parte dos proprietário para que a direção técnica releve alguns itens. Mas o Clube do Carro Antigo de Jundiaí não relaxa. “O clube é filiado à Federação Brasileira de Veículos Antigos e também presta conta ao Denatran”.

Mesmo o veículo com placa preta precisa fazer a atualização de seu certificado a cada cinco anos. “Temos que conferir se o veículo mantém sua originalidade. Caso alguma coisa tenha sido modificada ele perde o direito de usar a placa”.

Com a placa preta, o veículo pode circular mesmo sem os itens obrigatórios de segurança, como cintos de três pontos, espelhos retrovisores, entre outros, uma vez que foram fabricados antes da lei que instituiu a obrigatoriedade.

Clube do Carro Antigo de Jundiai
Rua Aristeu Dagnoni, 15 – Vila Arens.
Fone: (11)4527-1667 – clubedocarroantigojundiai@bol.com.br

Encontro de Carros Antigos (aniversário do Clube)
Sábado (25) e Domingo (26).
Parque Comendador Antonio Carbonari (Festa da Uva)


View Larger Map