A ação da Guarda Municipal contra manifestantes que exigiam o direito de tomar banho em uma das cachoeiras da Serra do Japi, no bairro Eloy Chaves, gerou protestos via redes sociais.

Agentes da Guarda Municipal que guardavam o local — a entrada de um condomínio de casas — usaram spray de pimenta e algemaram diversos ativistas que participavam do Legalize Cachoeiras.

O evento tinha sido programado como um protesto pacífico para chamar a atenção para a legalização do uso das cachoeiras da Serra, que estão fechadas à visitação pública.

O vídeo mostra alguns agentes da Guarda Municipal usando spray pimenta e cassetetes para reprimir a manifestação.

Henrique Parra Parra Filho, um dos coordenadores do movimento Voto Consciente, foi enfático.

“Não era um assunto de Polícia, mas de Política. O que moveu Carlos Diego, Wilian Melo, Mauro Orsi entre outros foi o debate sobre as normas e diretrizes em torno da Serra do Japi, com atenção especial ao direito de acesso deste patrimônio ambiental pelos cidadãos”.

Parra Parra lembrou que esta foi a segunda edição de uma manifestação política.

“Foi uma manifestação construída publicamente e, se havia algum motivo legal para seu impedimento, a Prefeitura De Jundiaí deveria ter emitido uma Nota Oficial, interagido nas redes sociais e explicado aos participantes e jornalistas”.

Para ele, este assunto não deveria ter ficado sob responsabilidade da Guarda Municipal, mas sim das Secretarias competentes e dos governantes.

O advogado Paulo Braga disse que além de triste o acontecimento é muito grave, com alguns manifestantes algemados pelos pés. Algo injustificável.

“Não nos esqueçamos que a Guarda Municipal está fazendo ‘segurança particular’, com o dinheiro público. Cadê o ministério público?”

Yolanda Fernández Páez, fundadora do grupo Defensores da Serra do Japi, se disse triste.

“Um movimento como esse, com jovens querendo apenas tomar banho de cachoeira, chegar a esse ponto de agressão da Guarda Municipal. Entendo que não se pode invadir propriedade privada mas não se justificam as agressões”.

Enio Xavier, que participou da manifestação escreveu:

‎”É diferente quando você vive a injustiça, quando você vê a reação sem alegação lógica de alguns policiais que existem para amparar os interesses públicos, perante uma ação pacífica porém que vai ao encontro dos interesses de governantes que são apenas empresários”.

Xavier sentiu nos olhos os efeitos da ação da Guarda Municipal.

“O gás de pimenta arde, o cassetete deixou marcas e as algemas foram usadas sem necessidade. Mas a vontade de correr atrás de justiça aumenta ainda mais”.

A Guarda Municipal, até o momento, informou apenas que não há registros de violência por parte dos policiais.

Deixe um comentário