O think tank canadense Fraser Institute e a Economic Freedom Network lançaram esta semana o relatório Economic Freedom of the World 2012. De acordo com o cientista social pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Magno Karl, tradutor e gerente de operações do site Ordem Livre, para elaborá-lo, os pesquisadores mediram o índice de liberdade econômica em 144 países, utilizando 42 variáveis. Segundo Karl, Hong Kong ficou mais uma vez com o primeiro lugar no ranking. Singapura, Nova Zelândia, Suíça, e Austrália e Canadá (empatados), completam as cinco primeiras posições. Os Estados Unidos continuam caindo, e nessa edição ocupam apenas a 18ª colocação. A Argentina, que ocupava a 34ª posição em 2000, ocupa agora a 110ª posição. A Venezuela é a última colocada no ranking. Apesar de uma pequena melhora na sua nota total, de 6.19 para 6.37, o Brasil caiu três posições. No relatório do ano passado, o Brasil estava na 102ª posição, logo atrás de Bolívia, Bósnia e Herzegovina e Colômbia. Nesse ano, o Brasil ocupa a 105ª posição, atrás de Marrocos, Sérvia e Bolívia. Esse resultado coincide com os números apresentados nesse ano por outro ranking, elaborado pela Heritage Foundation, explicou o cientista. Nele o Brasil ocupa a 99ª posição, e está no grupo dos países classificados como mostly unfree. A importância da liberdade econômica é explicada com linguagem direta e simples, em 60 segundos, nesse vídeo traduzido pelo Portal Libertarianismo: