Epidemias neoliberais: austeridade, obesidade, stress e desigualdade

Por Ted Schrecker e Clare Bambra

Dentro do pequeno município de Stockton-on-Tees (foto), onde um de nós vive e trabalha, a diferença na expectativa de vida masculina entre as áreas mais e menos favorecidas é de 17 anos.

Isto é comparável à diferença na expectativa de vida média em homens do Reino Unido e de Senegal.

Isso não significa que se deslocar de uma área mais rica no centro da cidade de Stockton vai encurtar sua expectativa de vida, mas reflete as consequências do que o sociólogo e urbanista Saskia Sassen chama de “uma separação selvagem de vencedores e perdedores”.

Essa triagem não aconteceu apenas. Ela é o ponto final de uma mudança decisiva distante do estado de bem-estar do pós-guerra, e que Thomas Humphrey Marshall chamou de cidadania social.

O recuo da cidadania social no Reino Unido começou na era Thatcher, se não antes, mas a crise financeira que varreu o mundo em 2008 forneceu um pretexto para uma nova fase de austeridade
(seletiva).

Como as receitas fiscais diminuíram, a necessidade de controlar o endividamento, com consequentes déficits fiscais, foi invocada para justificar cortes drásticos de despesas públicas, mas seletivos, tais como o imposto sobre o quarto (uma redução benéfica para os inquilinos de habitação social), aumentou as sanções de benefícios e reduções nos orçamentos das autarquias locais que vão atingir os pobres e as regiões mais pobres.

Mesmo antes da eleição geral de maio de 2015, foi amplamente aceito que os cortes mais severos ainda haviam de ocorrer.

Em termos concretos, isto significa que, como um relatório informou, o aumento incessante da pobreza alimentar na Grã-Bretanha vai continuar, e como medidas austeras levam à dependência
crescente de bancos de alimentos.

E mais casos irão ocorrer, como o do ex-soldado diabético David Clapson, que morreu com apenas £3,44 deixadas em sua conta bancária e uma geladeira vazia depois que ele foi sancionado por faltar a uma consulta com um conselheiro no Centro de Emprego.

Nosso novo livro está baseado em uma extensa revisão da literatura científica para avaliar os
efeitos na saúde de três décadas de políticas neoliberais.

Incidindo sobre os determinantes sociais da saúde – as condições de vida e trabalho que tornam relativamente fácil para algumas pessoas levar vidas longas e saudáveis, embora seja praticamente impossível para outros – nós mostramos que há quatro epidemias neoliberais interligadas: austeridade, obesidade, stress e desigualdade.

Elas são neoliberais porque estão associadas com ou agravadas por políticas neoliberais. Elas são epidemias porque são visíveis ​​em uma escala internacional e por terem sido transmitidas tão
rapidamente através do tempo e espaço como se fossem contágios biológicos vistos em proporções
epidêmicas.

Tanto a crise financeira como a reação de austeridade são consequências das escolhas políticas
neoliberais, em especial a desregulamentação dos mercados financeiros e das instituições nos
governos Reagan e Thatcher na década de 1980.

Novamente remontando antes da eleição, um deprimente consenso político parecia existir entre os três maiores partidos do Reino Unido, sem outra alternativa que não a austeridade.

Rejeitamos esse consenso.

A iminente crise de saúde pública ainda pode ser evitada, mas exigirá um conjunto diferente de escolhas políticas, que reconheçam que financiamento público é uma questão de saúde pública e que o projeto Conservador de reduzir o Estado virá com uma sentença de morte.

Os elementos indispensáveis ​​dessas escolhas alternativas: tributação mais progressiva, em contraste com as políticas pós-2010 que, na verdade, promoveram redistribuição ascendente
da renda; fortaleceram, em vez de enfraquecer a proteção social; e menos gastos com ogivas e 15
bilhões de libras em estradas para lugar nenhum.

Em 2008, a Comissão sobre Determinantes Sociais da Saúde da Organização Mundial de Saúde publicou um relatório de referência sobre as desigualdades na saúde que clamava pelo
encerramento dessa lacuna em uma geração.

Tudo começou com a observação de que “a injustiça social está matando as pessoas em grande escala”.

Cinco anos na direção da comissão, Sir Michael Marmot, chamou as políticas sociais da coalizão do governo de “uma paródia grotesca de justiça” em um discurso para a Associação Americana de
Saúde Pública.

Se ao menos os nossos líderes políticos tivessem a mesma coragem.

Ted Schrecker é professor de Política de Saúde Global e Clare Bambra
professora de Geografia da Saúde Pública, da Universidade de Durham