Indicação de Vasti para Educação causa ruptura do PSB com o governo

Depois da saída do professor Oswaldo José Fernandes da Unidade (foto acima) de Gestão de Educação, o PSB (Partido Socialista Brasileiro) indicou ao prefeito Luiz Fernando Machado (PSDB) três nomes para ocupar o lugar, mas não obteve qualquer resposta.

“Não é que ele não aceitou os nomes. Ele (Luiz Fernando) simplesmente não deu qualquer resposta”, disse Fernandes, que é presidente do partido.

Luiz Fernando Machado preferiu deixar interinamente no cargo o gestor de Governo e Finanças, Luiz Antonio Parimoschi, até indicar para o lugar a então gestora de Cultura, Vasti Ferrari, que assumiu o cargo na sexta-feira (16).

Foi o basta que faltava para o partido de Fernandes romper com o governo.

“Foi ele quem rompeu, não nós”, disse o presidente do PSB, um partido, segundo ele, comprometido com as propostas e projetos para a Educação. Sem gerir a pasta, não faz mais sentido ao partido continuar no governo.

Fernandes pediu aos 14 membros do partido (que tem aproximadamente 400 filiados na cidade) que atualmente ocupam cargos no governo que tomem uma decisão: ou se afastam do partido, se quiserem continuar no governo, ou entreguem seus postos.

O professor Oswaldo Fernandes afirma que não se trata de algo contra a pessoa de Vasti Ferrari, mas um reconhecimento de que não há mais espaço para o projeto de educação do PSB dentro do governo Luiz Fernando Machado.

“Nós trabalhamos 18 meses em uma proposta de educação para o governo municipal. Isso muito antes de fechar um acordo para apoiar Luiz Fernando. Quando ele venceu as eleições disse que a Secretaria de Educação seria do PSB”, explicou.

“Nós tínhamos um projeto, uma equipe de trabalho. Mas agora não sobrou espaço. Melhor mesmo é ficar de fora”.

Em nota divulgada na terça-feira (17), o governo Luiz Fernando não fala em rompimento e sim em alterações necessárias em decorrência de fatores externos e não políticos. Nenhuma palavra a respeito dos nomes que teriam sido indicados por Fernandes. 

“O governo municipal respeita a posição do presidente do PSB Jundiaí, Oswaldo Fernandes. No entanto, por parte da Administração, não se considera que tenha havido rompimento, visto que as alterações foram em decorrência de fatores externos, e não políticos”.

O que o governo chama de fatores externos foi o afastamento compulsório de Oswaldo Fernandes porque o Tribunal de Justiça do Estado julgou improcedente um recurso feito há 14 anos contra uma condenação na compra de cercas para escolas do município. Com isso, Fernandes não pode ocupar cargos públicos.

A ligação de Oswaldo José Fernandes com Luiz Fernando Machado começou no segundo turno da campanha de 2012 (quando Luiz foi derrotado por Pedro Bigardi). Fernandes, dono de uma empresa de pesquisas, auxiliou na estratégia do PSDB no segundo turno.

A consolidação do trabalho político, no entanto, veio em 2014, durante as campanhas vitoriosas para deputado estadual (com Luiz Fernando Machado) e federal (Miguel Haddad).

Escola sem Partido

Outra coisa que está sem um problema dentro do partido é a falta de sintonia do vereador Antonio Carlos Albino, autor do projeto de lei da Escola Sem Partido, algo que, segundo Oswaldo José Fernandes, vai totalmente contra às orientações partidárias.

O vereador já foi advertido pela direção partidária mas, por enquanto, não está prevista alguma medida mais drástica.

Leia também

Oswaldo Fernandes deixa o governo. Pediu exoneração (oficialmente)