Justiça anula eleição da Associação Comercial e nomeia interventor

Quase um mês depois de ser realizada e depois contestada pela chapa de oposição, a eleição da ACEJ (Associação Comercial e Industrial de Jundiaí) recebeu determinação judicial de anulação, com prazo de 90 dias para nova apuração.

A liminar foi concedida pelo juiz Márcio Estevam Fernandes, da 4ª Vara Cível, entre outros pontos pelo uso de urnas itinerantes que haviam sido proibidas anteriormente.

A eleição foi disputada nos dias 13 e 14 de fevereiro pela chapa de seu atual presidente, Reges Donatti Filho (foto), disputando com a chapa liderada pelo também comerciante Roberto Rezende.

Reeleito com 83% dos votos (239 de 305), Reges foi contestado por mandado de segurança do grupo de Roberto (48).

De acordo com a decisão liminar, o processo violou orientações judiciais anteriores e o próprio estatuto da entidade, com extensão do mandato dos diretores, ao realizar assembleias simultâneas em cinco pontos diferentes da cidade.

Por esse motivo, decide pela intervenção direta na ACEJ e nomeia como interventor para o novo processo eleitoral e a gestão temporária o advogado e gestor Dirceu Francisco Cardoso.

Reges Donatti Filho divulgou uma nota onde lamenta a decisão. Leia íntegra:

O inconformismo dos derrotados

“Uma disputa termina, invariavelmente, com vencidos e vencedores. Não aceitar uma derrota é compreensível, mas colocar a vaidade pessoal, o orgulho, a prepotência e o autoritarismo acima dos fatos, prejudicando uma associação é no mínimo imoral”.

“Nas eleições da ACE, mais de 80% dos associados preferiram continuar crescendo e avançando. Mas o inconformismo levou a oposição para outros caminhos, que não aceita a derrota e quer impor sua vontade a qualquer custo”.

“Não vamos esmorecer. Lutaremos até o fim para que a soberania dos associados prevaleça sobre os interesses pessoais de uma minoria”. Chapa 1 Transparência e Ação

Associação Comercial

A Associação Commercial de Jundiahy foi fundada em 1923, tendo como seu primeiro presidente Sperandio Rappa.

Passou depois a chamar-se Associação Comercial e Industrial de Jundiaí e em 2003 adotou, seguindo uma tendência nacional, o formato de Associação Comercial e Empresarial (ACE). Tem 3.500 empresas associadas e controla 3 milhões de consultas ao serviço de proteção ao crédito (SCPC) por ano.