Marilena Negro no pinga-fogo na Vila Hortolândia

A noite de ontem (22) foi fria, mas o clima esquentou no Centro Comunitário da Vila Hortolândia (CCVH), em Jundiaí, com o primeiro pinga fogo com os candidatos à Prefeitura do município. A candidata do Partido dos Trabalhadores (PT), Marilena Negro, foi a primeira a ser sabatinada pelos moradores do bairro. O debate foi dividido em seis temas: cultura, educação, saúde, habitação e infraestrutura, segurança e por último, tema livre.

O primeiro tema a ser sorteado foi cultura. “Essa área irá dialogar com todas as políticas da cidade, iremos reconhecer os coletivos e fazer com que os jovens tenham oportunidade de participar”, disse ela, defendendo as ocupações de prédios abandonados para a realização de atividades culturais. “Se não atende nenhum interesse social, nós podemos reivindicar e ocupar”.

Ao ser questionada sobre as vagas nas creches municipais, Marilena falou sobre a elaboração de uma lista pública para evitar tráfico de influência na obtenção de vagas e na construção de mais creches. “Nós iremos priorizar a população vulnerável a partir de um recorte social para evitar desvios de conduta. Na medida do possível, iremos ampliar a rede suplementar e proporcionalmente investir em novas unidades para atender as demandas”, explicou.

Na visão da candidata, os problemas da saúde pública devem ser resolvidos de forma conjunta com o Estado. “Nós defendemos que continue o sistema de financiamento e que o governo do Estado seja mais participativo para que o município não arque com todas as despesas”, disse.

Marilena também foi questionada sobre a possibilidade da construção de um novo hospital. “É fato que Jundiaí precisa de um novo hospital, mas primeiro devemos viabilizar o funcionamento do Hospital Regional, que está parado, e também melhorar o Hospital São Vicente”.

Habitação, transporte e segurança

A candidata propõe modernização nas políticas públicas e na infraestrutura voltada para a habitação. “Em nossa gestão, o novo papel da FUMAS será buscar projetos alternativos com novas tecnologias para soluções dentro do financiamento próprio para a população de baixa renda”, salientou.

No transporte público, as alternativas são ousadas para melhorar a condição do setor. “Devemos rever a forma de gestão, devemos saber mais sobre a caixa preta da tarifa. Faremos as inovações necessárias para a frota e abaixaremos progressivamente o preço da tarifa”, disse.

Para a área da segurança, a candidata pretende modificar o modo de atuação da Guarda Municipal e afirma que o Estado não cumpre com o seu dever quando o assunto é segurança pública, e que por isso, prejudica o município. “Por falta de investimento do Estado, a Polícia começou a depender da Guarda Municipal. Temos o programa Guarda Solidária que é uma nova perspectiva de apoio à segurança. Traremos de volta o perfil do guarda que se comunica com as pessoas, garantindo assim a segurança nos bairros”, explicou.

Ao final da sabatina, ela apresentou os vereadores de sua chapa e agradeceu os idealizadores do evento.