Prefeitura anuncia “reabertura” do Jardim Ana Maria

O prefeito de Jundiaí, Luiz Fernando Machado, anunciou durante entrevista ao Oa que está coordenando estudos para reverter o fechamento completo de acesso ao Jardim Ana Maria, bairro residencial de classe média alta que teve suas primeiras ruas fechadas durante a gestão do prefeito Miguel Haddad.

Ele acrescentou, entretanto, que o problema principal no Jardim Ana Maria ocorreu durante o governo do prefeito Pedro Bigardi. Trata-se de um muro com floreira em cima (na foto de abertura), criado há pouco tempo na rua Hilda Del Nero Bisquolo, e não das barreiras instaladas anteriormente na avenida Jundiaí.

“Estamos buscando uma composição com os moradores. Não podemos impedir a circulação das pessoas. É o próprio Ministério Público que pode exigir, porque isso envolve a legislação”, afirmou enquanto abordava a questão da lei o chamado fechamento de ruas e loteamentos, aprovada pela Câmara Municipal mesmo sem parecer do Conselho Municipal de Política Territorial definido pela lei 8.683 (Plano Diretor).

Ele ponderou que existem outros casos que apontam para a busca de soluções da comunidade por mais segurança como no caso da Malota (de cancela apenas de controle de identificação) e do Jardim Brasil (de controle de tráfego, sem cancelas), além do próprio Jardim Ana Maria.

“O que precisamos é encontrar um caminho razoável, onde a gente entenda que há cidadãos buscando criar alternativas para sua própria proteção mas que não impeça o direito de ir e vir. Porque, se impedir, vamos retirar as barreiras”, afirmou.

Luiz Fernando destacou também que as providências sobre o espaço público serão tomadas mas sempre “respeitando” os cidadãos que estão perplexos com o aumento da criminalidade no país. Dilemas urbanos – Dois dos exemplos citados ocorreram dentro de um contexto de crescimento vertical da cidade.

No caso do controle de tráfego no Jardim Brasil, mais recente, o principal motivo foi o ajuste de trânsito relativo a uma torre comercial autorizada na área da antiga Mansão Rappa, na Chácara Urbana, evitando que o uso de área residencial do Jardim Brasil como corredor de trânsito.

No caso do Jardim Ana Maria, torres residenciais e comerciais autorizadas na região do trevo da avenida Jundiaí pressionam pela passagem do bairro também como alternativa de trânsito. O bairro havia sido resguardado anteriormente, na primeira década dos anos 2000, quando a reforma do Parque Comendador Antonio Carbonari (Parque da Uva) perdeu sua histórica concha acústica pelo alargamento da avenida Manoela Lacerda de Vergueiro com uma terceira faixa para isolar a atual rua dos Cristais de seu trajeto.

Ambos colocam em foco a tensão permanente da cidade entre a proteção de bairros e a prioridade absoluta do carro que vigorou com mais força anteriormente e ainda gera os dilemas. Defesa da área do

CEA-IAC

Em outro ponto da entrevista, o prefeito Luiz Fernando Machado reforça sua posição de apoio à manutenção da área e das atividades do Centro de Engenharia Agrícola (CEA), do Instituto Agronômico, que exerce um papel importante na paisagem, no meio ambiente, nas pesquisas agronômicas e na própria história da cidade entre o Aeroporto e a Coca Cola.

Ele afirma que não tem nenhuma informação sobre tramitação de venda da área pelo governo estadual e que vai usar todos os instrumentos que a Prefeitura de Jundiaí possa usar para defender a permanência dessa área.

Foto de abertura by Rodolfo Zanetta

 
Assista a entrevista completa de Luiz Fernando Machado

LEIA TAMBÉM
Sinésio é contrário ao fechamento de ruas. Mas entende moradores