Prefeitura fará auditoria no São Vicente. A situação é de insolvência

Depois de mais de um mês avaliando a situação financeira do Hospital São Vicente de Paulo, a Prefeitura decidiu fazer uma auditoria geral nas contas da entidade, pois a situação é de insolvência. A informação é do gestor de Governo e Finanças, José Antônio Parimoschi.

Criar um gabinete de gestão de crise no São Vicente foi o primeiro ato do prefeito Luiz Fernando Machado, que colocou como responsável pela operação o médico Itibagi da Rocha Machado, seu sogro e ex-superintendente do Hospital Universitário. Desde então, a equipe vem avaliando a situação financeira do São Vicente a partir de um sala instalada dentro do hospital.

Numa visita com jornalistas pelo hospital em 11 de janeiro, Itibagi já dizia: “Aqui é terra arrasada”.

O que ficou mais claro com o tempo, porém, é que a situação do São Vicente é ainda muito mais grave do que já havia sido detectado. Por isso a necessidade de uma auditoria minuciosa, explicou Parimoschi.

São R$ 14 milhões, aproximadamente, transferidos mensalmente pela Prefeitura ao hospital, mas as despesas passam dos R$ 18 milhões. A meta da Prefeitura é baixar esse valor para R$ 13,5 milhões.

O prefeito Luiz Fernando Machado disse que o objetivo do governo é tornar o Hospital São Vicente autossuficiente, adaptando suas despesas ao tamanho da sua receita. Desta forma, explicou, seria possível garantir a estabilidade financeira e valorizar os colaboradores do hospital.

O problema é que a dívida da instituição, segundo dados preliminares, é de mais R$ 240 milhões. A Prefeitura quer saber exatamente onde e como o São Vicente gasta o dinheiro repassado mensalmente. Isso ainda não está claro, por isso a decisão por uma auditoria.

O gestor de Saúde, Vagner Vilela, disse que o alto custo dos funcionários é o que mais impacta as finanças do hospital. Para se adequar ao novo orçamento, certamente o São Vicente terá que reduzir seu quadro de funcionários.