Texto Henrique Parra Parra*

 

Nada melhor do que uma eleição para prefeito e vereadores — pessoas que irão comandar nos próximos anos tempos de desafios expressivos para o desenvolvimento social, político, e econômico da nossa cidade — para expressarmos nosso amor, nossa esperança de que as eleições sejam limpas, que nosso voto seja consciente, que nossos candidatos pensem grande como o foi no passado, é no presente e precisa ser o destino e o futuro da nossa gente.

Passado político e econômico

Jundiaí, desde a década de setenta (vou perspassar o período que vivi, nasci em 57), teve administradores com visões futuristas.

Vasco Venchiarutti trouxe o planejamento para a gestão pública, desenhou traços para nosso futuro promissor, isto na década de sessenta.

Valmor Barbosa Martins criou o DAE (que se mantenha público e eficiente, é preciso lutar por isto), construiu o primeiro distrito industrial — iniciando com isto o processo que nos diferencia da maioria das cidades de SP.

Temos cem por cento do esgoto tratado, água para anos a frente, característica que atrai empresas e população economicamente diferenciada e uma arrecadação entre as maiores de São Paulo — proveniente de um desenvolvimento iniciado na década de setenta, baseado na indústria (grande geradora de impostos, emprego e renda) e no sequêncial investimento na qualidade de vida da população.

Ibis Cruz, hoje candidato outra vez, abriu nosso município com avenidas importantes; André Benassi ampliou nossa capacidade de armazenamento de água, asfaltou todo o município; Miguel Hadad coroou suas passagens com gestões de resultado; Pedro Fávaro legou o exemplo da honestidade, transparência, gestão pública sem imiscuir o público com o privado, político que se foi pobre; e Ari Fossen, exemplo com sua história de conciliação, colocou sempre na frente os interesses da cidade.

Isso para falar de executivos deste período, que podem ter errado também, mas sempre levaram em mente, em primeiro lugar, sempre os interesses de Jundiaí vis a vis com suas carreiras políticas.

Sonhos da nossa juventude, aspirações, esperanças da Cidadania

Hoje somos uma cidade em mudança constante, com uma população jovem, muita gente nova que veio viver em Jundiai e continuar trabalhando em São Paulo e região; e temos uma juventude criativa, questionadora, reivindicadora de ética, transparência na economia e política, respeito ao meio ambiente; que quer participar, ser ouvida e ser “sujeita das ações de mudança”, que creio, nossa sociedade está preparada para realizar.

É preciso escolhermos políticos afins para estas mudanças necessárias.

Os tempos de hoje assim exigem de todos nós, principalmente dos políticos.

Aproveito para ressaltar o movimento Cidadonos, o Voto Consciente Jundiaí, as igrejas e as entidades civis, as redes sociais estabelecidas em nossa cidade pelos exemplos de participação que legam a nossa cidadania ativa.

Hoje as redes sociais de Jundiai são referência de vanguarda na construção da democracia participativa.

Vocação de liderança, Conglomerado Urbano de Jundiai

Estamos com um recém nascido em casa: a Aglomeração Urbana de Jundiai, formada pelos municípios de Jundiaí, Várzea Paulista, Campo Limpo Paulista, Jarinú, Louveira, Itupeva e Cabreúva; uma região administrativa (pretensão de parceria) que nasce com vocação para ser grande: entre 2000 e 2009 teve o segundo maior crescimento demográfico das aglomerações urbanas do Estado SP.

A Jundiaí, como maior município, cabe a liderança participava e democrática no processo. Tem um desafio enorme na construção de parcerias que leve sustentabilidade a uma região com PIBs muito distintos, renda per cápita tão desniveladas e que na prática, sabemos, contém famílias, habitantes que vivem juntos, via de regra, trabalhando, comprando num município pólo e dormindo, dependendo de serviços públicos na sua cidade dormitório, via de regra sem orçamento necessário.

São disparidades que não contribuem para a sinergia, o equilíbrio,a sustentabilidade. Só contribuem para o conflito, para a segregação, para a exclusão social.

Baita Desafio este.

Desafios do Presente e do Futuro

O momento requer formas diferentes de pensar, planejar e executar, precisamos construir desenvolvimento com foco na sustentabilidade econômica, social, ambiental da região; precisamos mudar a forma de lotar cargos públicos, profissionalizarmos a máquina pública.

Os políticos eleitos precisam governar com a população, essa história da construção da governança política via loteamento de cargos públicos é um problema do Brasil que Jundiai pode enfrentar e dar exemplo nestas eleições. Precisa.

Gente, amar Jundiai e seu conglomerado urbano é necessário; façamos isto, cada um a sua maneira, com muito orgulho da gente que aqui habita.

Viva a Grande Jundiaí

Outubro se aproxima, a bola está com vocês e nós.

Cláudio Miranda, Ibis Cruz, Luiz Fernando Machado, Pedro Bigardi, Vanderlei Victorino, nossos candidatos a prefeito.

Votemos conscientes para que um destes seja o timoneiro duma vitoriosa jornada de desenvolvimento e que ela seja acima de tudo inclusiva, sustentável socialmente, mais democrática e que a população seja chamada a ocupar seu espaço de direito, protagonista das ações de mudança.

“Não basta que seja pura e justa a nossa causa. É necessário que a pureza e a justiça existam dentro de nós” (Agostinho Neto)

Henrique Parra Parra é superintendente Regional da Caixa Econômica Federal