Vamos fazer Ruas Atrativas para as Pessoas

Brent Toderian

Aqui em Vancouver, temos uma perspectiva bastante iluminada para as ruas, pelo menos para os
padrões norte-americanos.

Por muitas décadas, e particularmente desde o revolucionário Plano de Transporte de 1997, urbanistas e engenheiros de trânsito de Vancouver têm entendido que as ruas não são apenas para carros em movimento – elas são para as pessoas em movimento.

Com as decisões de uso da terra apoiadas em Vancouver e a deliberada priorização de andar a pé e de bicicleta ao invés de dirigir, mover-se em nossas ruas significa mover mais e mais pessoas por modos ativos, ou “força humana”.

Dado que estes modos ocupam muito menos espaço e custo público, isso significa que nossas ruas são muito mais eficientes para a movimentação de pessoas do que aquelas projetadas para priorizar carros – algo que nossos iluminados engenheiros de transporte adoram.

Mas aqui está a questão – ruas não são apenas para as pessoas em movimento. Em nosso recente Plano de Transporte 2040, no qual estive mergulhado antes de deixar a Prefeitura, nosso objetivo era uma deliberada evolução do pensar – ruas para as pessoas desfrutarem e relaxarem, não apenas moverem-se.

Veja você, até poucos anos atrás, os meus excelentes colegas do Departamento de Planejamento de Transportes ainda tendiam a pensar no objetivo das ruas como sendo sobre o movimento, apesar de torná-lo muito mais sustentável, saudável e de baixo custo (quem pode culpá-los, acho que o transporte está em seus títulos), e como algo que você pode quantificar (bem, a maioria deles são engenheiros, apesar de tudo).

O conceito de projetar lugares, de deliberadamente querer que as pessoas parem e apreciem a rua em vez de passar por ela, era mais difícil de quantificar, e, portanto, mais difícil de conceituar como bem-sucedido.

Nenhuma questão revelou esta tensão mais do que o espaço de um pátio de restaurante ou cafeteria em ruas lotadas de pedestres.

Embora tais espaços sejam uma excelente maneira de transformar ruas em lugares para relaxar e observar as pessoas, se a sua prioridade é mover as pessoas ao longo das calçadas, especialmente calçadas com larguras que não são particularmente generosas, pátios podem ser vistos como um obstáculo.

Mas quando você vê ruas como lugares para pessoas, essas coisas que diminuem o ritmo de um
pedestre podem ser as mesmas coisas que fazem uma rua ser interessante.

Coisas como pátios, carrinhos ou caminhões de comida combinados com assentos atraentes, artistas de rua, ou realmente apenas as vitrines das lojas que atraem uma multidão, tudo isso contribui para tornar uma rua mais “grudenta”.

E por isso, eu não quero dizer chiclete no chão da calçada! A rua é atrativa quando, ao mover-se ao longo dela, você é constantemente levado a desacelerar, parar e descansar para aproveitar a vida social em torno de você.

Inicialmente, esse tipo de sucesso pode fazer um engenheiro nervoso – você pode quantificar isso?

Fazer um modelo disso?

Como urbanista, uma das minhas frases favoritas é “nem tudo que conta pode ser contado.”

Para aqueles que gostam de contar as coisas, porém, existem por aí metodologias comprovadas sobre como você pode quantificar e medir a quantidade de tempo que as pessoas ficam em um espaço ou rua.

Um dos meus novos livros favoritos foca o tema, “Como Estudar Vida Pública”, escrito pelo meu amigo e mentor Jan Gehl, e co-escrito por Birgitte Svarre.

Eu recomendo.

Como observa o livro,”Começando com a questão do quanto é fundamental estudar vida pública.

Em princípio, tudo pode ser contado, mas o que muitas vezes é registrado são quantas pessoas estão em movimento (fluxo de pedestres) e quantas pessoas estão ficando em um lugar (atividade estacionária).

“Em outras palavras, uma das coisas mais valiosas para medir e contar em uma rua, é quanto tempo as pessoas permanecem.

Uma parte particularmente memorável do conselho que Jan uma vez me deu é que você pode dobrar o número de pessoas em um lugar público, quer através da duplicação do número de pessoas que são atraídas para o local (que pode ser um desafio, dada a necessidade de obter a sua atenção e, em seguida, suprir as necessidades de transporte/estacionamento e as implicações de terem vindo) ou dobrando o período de tempo que as pessoas escolhem permanecer.

O último é mais fácil (ou pelo menos deveria ser, se o urbanismo fosse melhor compreendido) – você simplesmente tem que fazer um lugar em que as pessoas queiram ficar mais tempo.

Portanto, uma vez que as pessoas escolhem vir para uma rua ou lugar, a chave é seduzi-las a gastar mais tempo.

Isso é o que são ruas atrativas.

Ruas que são quase um desafio para passar, não por causa de barreiras ou porque, como shoppings, elas são projetadas para fazer você se sentir perdido, mas por causa de tantas oportunidades atraentes para participar na vida social!

Oportunidades que o seduzem a parar, olhar, sorrir, apreciar e, possivelmente, participar – de fazer parte das coisas.

Grande parte dos nossos esforços como urbanistas nos últimos anos tem sido promover o conceito de cidades mais transitáveis.

Quando pensamos sobre o projeto de ruas, no entanto, ruas ótimas devem ser tanto transitáveis quanto atrativas.

Na verdade, os dois são completamente sinérgicos, pois há poucas coisas que o fazem andar com mais segurança, e sendo mais agradável, do que andar ao longo da rua com outras pessoas sentadas e apreciando a rua – mesmo se você tiver que ocasionalmente caminhar em torno delas.

Mesmo se você escolher não parar, isso pode tornar a experiência muito melhor.

Então o que faz uma rua atrativa? Uma grande rua comercial, onde cada loja tem algo acontecendo
para chamar a atenção. Vitrines com algo interessante e ativo dentro, por vezes chamadas de
“teatro de rua”.

Pátios animados para observar as pessoas (e não se esqueça, cidades mais frias como Copenhagen têm mostrado que pátios não precisam ser sazonais – experimente cobertores).

Muitos assentos casuais e oportunidades informais de alimentar-se, como carrinhos e caminhões de comidas. A combinação certa de sol, sombra, proteção contra o vento, a água (especialmente
para criar “ruído branco” em ruas barulhentas) e micro-climas projetados para o contexto local
específico. Coisas para ver e interagir, como arte pública (de preferência interativa).

Tudo isso pode funcionar, mas nunca se esqueça de três coisas:

Em primeiro lugar, a coisa mais interessante para as pessoas é olhar para outras pessoas.

Em segundo lugar, lembre-se que a coisa menos atrativa que uma rua pode ter é paredes vazias, seja no projeto inicial de construção, ou através de vitrines cobertas com adesivos com “cenas
cotidianas” ou papel higiénico empilhado (sim, farmácias, eu estou falando com vocês).

Pode-se chamá-las de ruas “teflon”. Não permita isso.

Em terceiro lugar, lembre-se que nem todas as ruas precisam ser tão atrativas como todos as
outras. Escolha suas ruas para maior ênfase, mas cada rua deve ter o suficiente para ser explorada a pé e também recompensar o olho do pedestre.

Não surpreendentemente, esses fatores para ruas atrativas são os mesmos que fazem lugares públicos e praças atrativos, como estudado há décadas por grandes urbanistas como William H. Whyte e seus sucessores no Projeto para Espaços Públicos (PPS).

Afinal de contas, as ruas são apenas espaços públicos – o tipo mais comum nas cidades.

Assim como urbanistas e projetistas urbanos, enquanto você discute com seus colegas do
transporte, trabalha duro para evoluir sua perspectiva comum sobre o papel das ruas no urbanismo mais inteligente, lembre-se: boas cidades sabem que as ruas movem as pessoas, não apenas carros.

Grandes cidades sabem que as ruas são também lugares para relaxar e desfrutar.

brent-toderian

Brent Toderian é um consultor internacional sobre urbanismo avançado pela TODERIAN UrbanWORKS, ex-diretor de Planejamento da Cidade de Vancouver, e presidente do Conselho de Urbanismo Canadense. Siga-o no Twitter @BrentToderian

Deixe um comentário