O assunto IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) não deixou as redes sociais desde a polêmica tentativa de reajuste de 25% no valor no final do ano passado, quando a Prefeitura recuou de seu objetivo diante das fortes críticas da sociedade.

O foco agora é a nova forma de cobrança, que eliminou o tradicional carnê e transferiu para o contribuinte a obrigação de imprimir seu boleto, caso não consiga fazer o pagamento diretamente via banco eletrônico — preferencialmente em uma única parcela.

ativista política (que sonha em mudar o mundo, como escreveu em sua página do Facebook) Marcia Para publicou um video na rede social mais acessada do planeta que resume boa parte das críticas que circulam pelas redes sociais e veículos de informação locais.

Nele, Marcia Parra compara o prefeito Luiz Fernando Machado a uma “criança mimada” e afirma que ele “ficou com birra da população e está prejudicando o povo de Jundiaí”, pois não conseguiu aumentar o IPTU como queria.

“A novela ridícula do IPTU não acabou. O prefeito para humilhar os mais humildes não envia mais o carnê com todos os boletos e obriga as pessoas a imprimirem seus boletos para pagamento”, escreveu em seu perfil do Facebook.

Segundo a ativista, muitos não têm acesso a computador e impressão e são obrigadas a ire ao Poupatempo onde “a humilhação aumenta pois só imprimem três meses de boletos obrigando as pessoas a voltarem várias vezes durante todo ano. Algo que nunca aconteceu na cidade, de acordo com Marcia Para.

Diante das críticas, fizemos algumas perguntas aos responsáveis pela cobrança do IPTU na Prefeitura.

1) Por que não enviar o carnê como sempre foi feito?

2) Por que não imprimir o carnê inteiro uma vez que a pessoa já foi ao Poupatempo?

3) Qual seria o custo de impressão do IPTU? Que economia o município faz, repassando seus custos para a população, prejudicando especialmente os mais pobres?

Acompanhe as respostas da Prefeitura enviadas pela assessoria de comunicação do governo. A Prefeitura contesta as informações da ativista e afirma que a modernização da cobrança é uma tendência no País.

A modernização do método de cobrança, medida já adotada pela União e Estados, está sendo adotada também por diversos municípios brasileiros.

Além de gerar economia de recursos para o poder público (cerca de 40% dos contribuintes pagam o IPTU à vista, em parcela única), o novo método oferece maior segurança para o contribuinte, pois agora já é possível realizar o pagamento site a site, para correntistas do Banco Itaú, Banco Santander e Banco Bradesco (em breve, BB também), utilizando o ambiente seguro do sistema bancário do país (pela internet), sem precisar se deslocar.

Aliás, o contribuinte que optar pelo pagamento via banco, sem expedição de guia, também economizará no deslocamento, antes necessário.

As três opções de cota única com desconto, assim como a opção de pagamento parcelado, disponíveis online, foram pensadas para propiciar praticidade ao contribuinte, não sendo necessária a digitação do código de barras para finalizar o pagamento.

A Prefeitura de Jundiaí possuir uma gama de serviços online para o contribuinte e que são utilizados para desburocratizar os serviços para o cidadão. Essa é uma tendência entre os municípios nos últimos tempos, que agrega economia, conforto, praticidade e segurança.

Além disso, a maioria da população de Jundiaí tem acesso à internet (segundo dados do IBGE, em casa ou no trabalho), e uma parte dos contribuintes também são pessoas jurídicas, que possuem estrutura de tecnologia a sua disposição.

Dessa forma fica mais simples e prático para o contribuinte pessoa física consultar as parcelas para pagamento e utilizar a opção que for a mais conveniente para ele.

No link a seguir, no portal da PMJ, é possível obter instruções a respeito do novo método.

https://www.jundiai.sp.gov.br/servicos-online/wp-content/uploads/sites/38/2018/01/edital-iptu-2018-1.pdf

Para o contribuinte que não se enquadra em nenhuma das opções apresentadas não ficará desassistido.

A PMJ disponibiliza um posto de atendimento no Poupatempo (que presta outros serviços também ao contribuinte), e, além disso, assegura acesso a computadores, impressoras e internet gratuita nos postos do Acessa Jundiaí, distribuídos em pontos estratégicos que cobrem todas as regiões da cidade e que permite com que o contribuinte que é usuário do transporte coletivo possa utilizar durante o seu deslocamento (nos terminais) conforme segue.

Além disso, pela internet é possível imprimir todas as parcelas a serem pagas de uma única vez.

Terminal Cecap – Rodovia Vereador Geraldo Dias, 2901 – Cecap

Céu das Artes – Rua Cabo Edivaldo Quirino Santana, 46  Vista Alegre

Terminal Central – Rua Cel. Leme da Fonseca, 366 – Centro

Terminal Colônia – Avenida dos Imigrantes Italianos, 2400 – Colônia

Terminal Eloy Chaves – Avenida José Luiz Sereno, 211 – Jardim Ermida II (*)

Paço – Avenida da Liberdade, s/n – Térreo – Jardim Botânico

Terminal Rami – Rua São Francisco de Salles, 290 – Vila Rami

São Camilo – R. Primo Filipini, 160 – Vila Aparecida (Centro Esportivo Jd. Ângela)

Tulipas – Rua Ana Congani Bocalão, 34 – Parque Botânico Tulipas – Jardim Tulipas

Terminal Vila Arens – Avenida União dos Ferroviários, 333 – Vila Arens

Biblioteca – Complexo Argos – Avenida Dr. Cavalcanti, 396 – Vila Arens

E Poupatempo – Complexto Fepasa. Av. União dos Ferroviários, 1760 – Pte. de Campinas.

 

Oa é uma plataforma independente de informações e notícias. Seu conteúdo editorial está a serviço da comunidade. Contribua para uma imprensa livre. Faça sua doação e garanta informação de qualidade. O Oa não aceita conteúdo editorial pago.

One thought on “Prefeitura responde às críticas sobre o fim do carnê do IPTU

  1. Maria Angelica Rabelo Rodrigues Ribeiro says:

    Mais uma das políticas excludentes do prefeito mimado. O acesso tem que ser para todos, maioria e minoria. Sem essa de usar dados do IBGE para adotar estas práticas. Eles devem ser norteadores mas não usados contra a população, de forma compulsória. Todas as formas devem ser apresentadas, do contrário, se exclui os que ja vem sendo excluidos por esta administração. Qual será a próxima? Tirar os elevadores dos ônibus ja que o IBGE aponta que a maioria dos moradores não são portadores de necessidades especiais? Ou o que ja aconteceu: tirar as ciclovias ja que a maioria não usa bicicleta. Se a linha é essa…tenhamos mais cuidado com quem esta la no “poder”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *