A cidade “descobre” seu próprio núcleo de cinema  

Por José Arnaldo de Oliveira

Uma cidade reconhecida como um celeiro de talentos de música, teatro, dança, literatura, circo e até ecologia avança lentamente para buscar esse reconhecimento também nas artes visuais. Ao lado dos quadrinhos, o cinema é a mais recente expressão cultural a multiplicar suas produções em Jundiaí mesmo sem grande público ou mercado.

O mais recente caso desse segmento ocorreu no sábado (13) com a 2ª Mostra Cinema em 10 Dias, que contou com a exibição dos curtas “Vícios” (Kahlo Produções), “O Jantar” (Produccine), “Curta em Corte” (Legatun), “Mari” (por alunos da segunda oficina Cinema em 10 Dias) e “Contraponto” (por alunos da primeira oficina Cinema em 10 Dias).

Uma impressionante característica em comum entre todos esses filmes é sua qualidade geral e em detalhes como fotografia, locações, elenco, edição de imagem e som, roteiro, figurinos e fechamento. Mas não tenta busca-los imediatamente na internet – afinal, foram produzidos com muito trabalho para serem exibidos em eventos sejam eles intimistas ou oficiais.

Esse trabalho de produção e de oficinas vem sendo feito pela Legatun, coordenada por Sílvio Romão, em parceria com o Ateliê Casarão e uma grande variedade de pequenos apoiadores. No evento ganhou o reforço das produtoras Kahlo e Produccine.

E renova uma história anterior vinda desde a Jundiá, que tem diversos filmes dos anos 1950 e 1960 na Cinemateca de São Paulo, ou nomes mais recentes na área de documentários como Fábio Ferrari, Tainan Franco, Leso Vídeo, Luís Crossi Neto ou Cine a Vapor.  Sem contar as produções trash de Antonio Firmino. Seria suficiente para justificar uma versão local do Museu da Imagem e do Som.

Mas o que está acontecendo com o processo do Cinema em 10 Dias é uma multiplicação de novos nomes nesse setor, voltados principalmente para a ficção, com um debate muito qualificado por experiências universitárias e pesquisa técnica. E a terceira versão da oficina já está em andamento.

“Com as oficinas, pretendo movimentar a área audiovisual na região, unir produtores através das mostras e também debater questões sociais”, comenta o diretor Sílvio Romão.

Quadrinhos

A cena ocorre no momento em que outro campo em que a cultura local avança é nas experiências no campo das “graphic novels” de diversos estilos. Entre as produções recentes desse estão produções variadas como o livro-poema “Embrulhado em Papel Kraft”, de Guilherme Ashtma (Horácio), a tradução visual do monólogo “Casa Poiesis”, de Ede Galileu e Cláudio de Albuquerque, e o registro em estilo pin-ups de “Mary Up Agência de Investigações”, de Paulo Borges e Sander Antonelli Júnior.

Em alguns casos, como no primeiro, envolve artistas com experiências anteriores no grafite urbano como é também o caso de exposições improvisadas como o corredor da Jundiaí Classic Tatto, na praça dos Andradas.   

Os casos de “crossover” entre diferentes tipos de artes ocorrem também no front do novo cinema jundiaiense, que em alguns casos específicos envolve pessoas atuantes nas linguagens do teatro, da música ou do circo. A cultura local, nesse processo, pode começar a ser vista como um ecossistema em sua diversidade e multiplicação. 

 

Os novos filmes

 

CURTA EM CORTE (Legatun Filmes)

DIREÇÃO – Silvio Romão

ROTEIRO – Silvio Romão e Filipe Dias

DIREÇÃO DE ARTE – Luana Da Hora/Silvio Romão

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA – Walter Albertin

ILUMINAÇÃO – Filipe Dias

TÉCNICO DE SOM – Gustavo Almeida

PRODUÇÃO EXECUTIVA – Gustavo Almeida

PRODUÇÃO – Wesley Albuquerque

EDIÇÃO – Walter Albertin

ELENCO: Júlia Rissi, Mayara Terra, Claudio de Albuquerque, Leticia Nogueira, Beatriz Moura, Marielza Duarte, Fernando Oliveira, Cadu Gouvea, Paloma Miranda e Tai Montana.

 

CONTRAPONTO (Oficina realizada em fevereiro de 2017)

PARTICIPANTES: Ana Carolina D”Andrea, Gean Rodrigues, Roger Willian, Paloma Miranda, Marcela Derpich, Tai Montana, Gustavo Henrique, João Victor Fernandes, João Freitas, Heloisa Castilho, Luan Silva e Paulo Ferreira.

 

MARI (Oficina realizada em abril de 2017)

PARTICIPANTES: Marcela Derpich, Tai Montana, Gustavo Henrique, Gean Rodrigues, Giulia Ribeiro, Lia Campos, Elizeu Pancotto, Victória Rocha, Rafael Viana.

VÍCIOS (Kahlo Produções)

DIREÇÃO – Ana Carolina D’Andrea

ASSISTENTE – Jhessica Meira

ROTEIRO – Ana Carolina D’Andrea/ Jhessica Meira

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA – Ângela Lima

ASSISSTENTE DE FOTOGRAFIA – Ana Cologni

DIREÇÃO DE ARTE – Ana Carolina D’Andrea

DIREÇÃO DE PRODUÇÃO – Mayara Keuli

ASSISTENTE DE PRODUÇÃO – Graziela Palini

ELENCO: Claudio de Albuquerque e Angel Nathã

 

O JANTAR (Produccine)

DIRIGIDO POR Marcelo Silva

UM CONTO DE Fernan D’Antonio

ADAPTADO POR Marcelo Silva

ATORES Rafael Lopes Clara de Bagio

DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA Any Reyes

DIREÇÃO DE ARTE E PRODUÇÃO Marcelo Silva

EDIÇÃO Henrique Cestarolli

ELETRICISTA: Rafael Lopes

MAQUIAGEM: Clara de Bagio

OPERADOR DE CÂMERA: Henrique Cestarolli

TRADUÇÃO PARA INGLÊS: Victor C. Prokopas

TRADUÇÃO PARA ESPANHOL: Isabel Reyes