Jundiaí entre as cinco melhores em saneamento básico

Segundo estudo divulgado nesta quinta-feira (16) pelo Instituto Trata Brasil, Jundiaí possui o quinto melhor saneamento básico entre as 100 maiores cidades do país. A cidade perdeu uma posição com relação ao ranking do ano passado.

No ano passado, porém, quando Jundiaí conquistou o quarto lugar, o Instituto considerou como critério o volume de investimentos dos municípios. O levantamento foi feito em parceria com a empresa GO Associados.

Este ano, a metodologia usada considera o nível de cobertura, melhora na cobertura e eficiência dos serviços oferecidos, para chegar ao indicador elaborado com dados de 2010 do Sistema Nacional de Informações Sobre Saneamento Básico (SNIS), do Ministério das Cidades.

Por isso, segundo a empresa DAE SA, responsável pelo saneamento em Jundiaí, a cidade foi classificada entre as cinco melhores, uma vez que já atingiu 100% de abrangência dos serviços de saneamento básico, com 100% da área urbana atendida com água tratada e coleta, afastamento e tratamento de esgoto.

“O posicionamento no ranking não altera a qualidade do saneamento básico em Jundiaí. Na verdade, ocorre o contrário”, explica o diretor presidente da DAE SA, Wilson Roberto Engholm (foto).

“Enquanto outras cidades investem para atender a zona urbana, Jundiaí está próxima de atingir a universalização dos serviços de saneamento, tanto na zona rural quanto na urbana, um patamar que as outras precisam igualar e, para isso, fazer grandes investimentos que a cidade já fez.”

Segundo ele, Jundiaí é uma cidade 300% na área urbana, ou seja, 100% do município tem água tratada, 100% tem esgoto coletado e 100% tem esgoto tratado.

“Caminhamos para a universalização na zona rural, ou seja, levar água tratada e a coleta de esgoto para esta área também.”

De acordo com os dados do Sistema Nacional de Informações Sobre Saneamento Básico, SNIS, Jundiaí tratou 30.008 metros cúbicos de água em 2009, passado para 30.013 metros cúbicos em 2010. O volume de esgoto coletado em 2009 foi de 22.190 metros cúbicos contra 24.275 em 2010. O volume de esgoto tratado foi de 24.697 metros cúbicos em 2009 e 26.567 metros cúbicos em 2010.

Wilson Engholm observa que o objetivo do ranking do Trata Brasil é reconhecer o esforço dos municípios em melhorar seus serviços, uma vez que 50% das cidades brasileiras não possuem saneamento básico.

Os quatro primeiros colocados são Santos (SP), Maringá (PR), Franca (SP) e Uberlândia (MG), todos com mais de 300 mil habitantes.

Os indicadores foram divididos em três diferentes grupos. Os dados relacionados ao Nível de Cobertura responderam por 60% da nota, a Melhora da Cobertura por 25% e Nível de Eficiência por 15%.

Por esses cálculos, Santos alcançou 8,70 pontos de 10 possíveis; Maringá 8,57; Franca 8,20; Uberlândia 8,17; e Jundiaí 8,16.

A pesquisa mostrou também que quase a metade da população das 100 maiores cidades do Brasil ainda não conta com a coleta de esgotos.

Segundo a pesquisa, diariamente, são despejados em torno de 8 bilhões de litros de fezes, urina e outros dejetos nas águas dos córregos, dos rios e do mar. E pouco mais de um terço ou 36,28% da coleta de esgoto passa por tratamento.

O Instituto Trata Brasil é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip), que tem o objetivo de incentivar uma mobilização nacional para que o país possa atingir a universalização do acesso à coleta e ao tratamento de esgoto.

Deixe um comentário