Mistério e devoção na apresentação da Orquestra Municipal deste sábado

A apresentação da Orquestra Municipal de Jundiaí acontece neste sábado, com entrada grátis no Polytheama. 

O programa traz a primeira audição mundial da obra Cry Ikons da compositora russa radicada em Portugal, Marina Pikoul (1966).

A obra é inspirada num fenômeno conhecido do Cristianismo, quando uma substância escorre dos olhos de imagens de santos lembrando lágrimas. A crença popular na Rússia diz que o fenômeno acontece antes de uma grande catástrofe.

Nesse caminho do mistério, crenças, devoção, a Orquestra Municipal abre o programa com o Requiem a Mãe Menininha de Gilberto Gil, em um arranjo feito especialmente para a OMJ pelo músico jundiaiense Daniel Muller.

Nesse programa, a Orquestra terá como solista convidado, o clarinetista Luis Afonso Montanha, primeiro clarinetista da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo e integra como clarinetista e claronista os grupos: Quinteto de Clarinetes “Sujeito a Guincho”, “Duo Clarones” (com o Prof. Henri Bok – Holanda), Quarteto “Tetralogia”, Quarteto de Clarinetes ClarinETC” e o Grupo “QuartaD”.

Montanha graduou-se pela UNESP em 1991, com o Prof. Dr. Maurício Loureiro, recebendo orientações também de Márcio Beltrami, Sérgio Burgani, Roberto Pires, Luiz Carneiro, Anthony Pay (Inglaterra) e Karl Leister (Alemanha).

Durante 1995 e 1996 realizou o Curso de Aperfeiçoamento Profissional em clarinete e clarone com a nota mais alta pelo Conservatório de Roterdam (Holanda), com os professores Walter Boeykens e Henri Bok, recebendo o Prêmio de melhor aluno do Conservatório neste biênio.

É artista patrocinado pela Selmer-Paris e Vandoren-Paris. Montanha toca com a OMJ a obra Hannukah Overture, do compositor Adam Shugar (1988), com hinos tradicionais judaicos, também dentro do mote das crenças e devoção, mas com clima cheio de alegria.

O clarinetista toca também as Cinco Bagatelas do compositor inglês Gerald Finzi (1901-1956).

Encerrando o programa, a OMJ traz a obra Visões e Milagres do premiadíssimo compositor texano Christopher Theofanidis (1967), com uma sonoridade muito inovadora e cheia de luz.

Claudia Feres, Regente Titular

Luis Afonso Montanha, clarinete

Programa Gilberto Gil (1942) Requiem para Mãe Menininha (arr. Daniel Muller)

Marina Pikoul (1966) Cry Ikons (primeira audição mundial)

Adam Shugar (1988) Hanukkah Overture for String Orchestra and Clarinet Gerald Finzi (1901-1956) 5 Bagatelles Op. 23 I. Prelude II. Romance III. Carol IV. Forlana V. Fughetta

Christopher Theofanidis (1967) Visions and Miracles I. All joy wills eternity II. Peace Love Light YOUMEONE III. I add brillance to the sun

Neste sábado, 20 horas – Teatro Polytheama. Grátis

Deixe um comentário