Ocupa Ponte Torta mostra surpresas sonoras e vibração colaborativa

A tarde do último domingo de abril trouxe boas vibrações ao Ocupa Ponte Torta.

O evento colaborativo mensal surgido na virada de 2015 por participantes e simpatizantes do movimento Pedala Jundiaí colocou ao ar livre o som da mistura de rock e hip hop da banda Desacato S/A, a abrangência da black music ao cancioneiro popular do DJ Amaral Ed ou a vibração roqueira da banda Going Down. E mais a energia do trash da banda Fim da Aurora, o rap swingado de Brainiacs, o tributo raimundiano da Nariz 12 e até mesmo uma intervenção de última hora de beat box do haitiano Guilherme.

Tudo isso formando uma “good vibe” para a véspera do feriado voltado para o vaLor do trabalho, incluindo aquele dos músicos e dos ativistas pelos espaços públicos da cidade. Na intervenção de praticamente todos os grupos houve o elogio aos espaços independentes onde os grupos se apresentam para um público formado por pessoas dispostas a conhecer coisas novas.

E muita, muita da colaboração que forma o espírito do movimento. Gente emprestando caixas de som, cubos de instrumentos, extensões de fios e até carona para montar e desmontar os equipamentos. A turma do PretaEu esteve como sempre presente para fortalecer laços e divulgar outros eventos independentes de que participa esse movimento surgido a partir de oficinas de turbantes e ampliado para o empoderamento das mulheres negras pelo conhecimento.

Pessoas de outras bandas passaram pela praça da Ponte Torta para prestigiar pelo menos por um tempinho as demais. Alguns chegam pedalando desde Campo Limpo, outros de skate ou bike de vários bairros. Os motociclistas do Insanos Moto Clube também estiveram presentes arrecadando agasalhos para o inverno de pessoas necessitadas, com apoio de retaguarda do bar Moska.

O pessoal da loja de conveniência em frente à praça colaborou funcionando até um pouco mais tarde e oferecendo os banheiros para os participantes. Enfim, o espírito cooperativo cada vez mais forte em um evento com bastante improviso e boa vontade.

Como já é quase uma tradição, a próxima edição acontece somente no último domingo de maio. Mas os outros domingos também contam com eventos mais novos abertos nessa trilha chegando na praça. No dia 7 tem o sarau Pra não Dizer que não Falei das Flores. No dia 14, o Ocupa Mulherio, no dia 21 o som do Favela Sound System.

 A expectativa do Ocupa Ponte Torta é que esse uso do espaço público pelas pessoas cresça não apenas ali, mas por toda a cidade. E todos descubram cada vez mais que, juntos, é possível fazer muito – com pouco.

O movimento Ocupa Ponte Torta lançou um site para facilitar o agendamento das ativades na ponte e mostrar o que acontece por lá.

www.ocupapontetorta.net.br

Foto by Lucas Castroviejo