Plano Diretor discute crescimento econômico sustentável

A organização territorial de Jundiaí e os rumos da economia local foram temas de mais uma reunião bilateral do Plano Diretor Participativo promovida na quinta-feira (29) com a equipe técnica da Secretaria de Planejamento e Meio Ambiente e a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia.

O encontro contou com os secretários Daniela da Camara e Marcelo Cereser, abordando ações estratégicas da proposta inicial do plano que está sendo discutida pelos delegados indicados no 2º Fórum, como o parque tecnológico e o plano de desenvolvimento rural e turístico, além da zona de desenvolvimento regional urbano (abrangendo as atuais zonas industriais e trechos próximos das principais rodovias).

O trabalho de “escuta” interna da Prefeitura visa a consolidação de uma proposta de governo que vai ser colocada ao lado das propostas dos diversos segmentos sociais antes da consolidação de uma contraproposta final a ser definida pelo conjunto.

No campo econômico, as propostas também envolvem um novo tipo de classificação de atividades desenvolvidas pelos moradores em cada zona territorial da cidade, chamada de “índice de incomodidade” que abrange ruído, tráfego e outros fatores.

Também fazem parte desse tema outras ações como a implementação de um polo de economia criativa e a requalificação da região central.

No aspecto específico da indústria da construção civil, a proposta em debate reorienta o crescimento para os chamados corredores urbanos das avenidas e para a zona de expansão e reestruturação urbana, no vetor oeste.

As ações mais específicas fazem parte da política de desenvolvimento econômico sustentável, que propõe como objetivos iniciais a consolidação do papel de Jundiaí como polo regional e centro industrial, logístico, comercial e de serviços.

Também o incentivo da produção agrícola e atividades econômicas sustentáveis na zona rural e o estímulo às atividades econômicas que permitam equilibrar a relação emprego/moradia em todas as regiões da cidade.

E a proposta também tem entre seus objetivos a compatibilização do desenvolvimento econômico com o equilíbrio ambiental e o desenvolvimento social e cultural.