Como melhores câmeras de smartphones, banda larga móvel mais rápida, e a ascensão de aplicativos de streaming transformaram o vídeo ao vivo na próxima onda nos grandes meios de comunicação social.

Até alguns meses atrás, Amanda Oleander era outra mulher de 25 anos em Los Angeles tentando se realizar como artista. Ela era nova na cidade e aventurava-se depois de uma temporada como ilustradora para a rede de televisão E!.

Então Oleander inscreveu-se no Periscope, app de streaming de vídeo ao vivo do Twitter.

Um amigo de Oleander comentou com ela sobre o Periscope no dia em que foi lançado em março, e ela decidiu fazer a tentativa no dia seguinte.

Sua ideia era transmitir passeios em LA para as pessoas que queriam saber como é a vida em Hollywood.

Mas quando ela começou a transmitir suas sessões de pintura entre os passeios pela cidade, ela percebeu as pessoas ficaram realmente interessadas naquilo, mais de 13 mil pessoas sintonizaram para assistir a sua pintura, como se ela fosse um Bob Ross do século 21.

Ela acumulou cerca de 340 mil seguidores e mais de 36 milhões de corações (embora esses totais cresçam exponencialmente a cada hora), e, ao contrário de outras estrelas de mídia social, Oleander não trouxe seus seguidores de outra plataforma para o Periscope.

“Eu não tinha seguidores em nenhum outro lugar”, disse à Macworld. “Eu acho que foi a pintura.

Isso é o que as pessoas realmente gostam. As pessoas colocam alarmes [para ver], e algumas pessoas têm me assistido do começo ao fim”.

Às vezes Oleander transmite ela mesmo pintando por até cinco horas.

Há uma arte em transmitir ao vivo.

Um vídeo tremido de uma pessoa divagando com uma câmera não basta. Oleander encontrou uma comunidade através de sua pintura.

Algumas pessoas transmitem eventos, mesmo que somente a partir de suas tevês, oferecendo seus comentários como entretenimento.

O Facebook lançou recentemente uma ferramenta de transmissão ao vivo para seus usuários verificados, que incluem celebridades, atletas e jornalistas – presumivelmente pessoas que vale a pena assistir (embora pessoas famosas possam ser vítimas da conversa desconexa à mesa transmitida ao vivo, também).

Oleander tem um tripé para seu telefone, cinco suportes, incluindo um especial para o carro dela quando ela transmite em movimento, vários bastões de selfie, e um microfone para criar uma “grande experiência” para seus telespectadores.

Do Justin.tv ao Twist ao Periscope

Transmissão de vídeo ao vivo não é novidade, mas está encontrando uma nova audiência com o surgimento dos smartphones.

As plataformas de vídeo ao vivo Ustream e Justin.tv foram ambas lançadas em 2007, rapidamente atraindo usuários que queriam transmitir seus dias para o mundo ou transmitir eventos ao vivo como concertos.

A Justin.tv foi posteriormente mudada para Twitch.tv, o serviço de streaming de videogame adquirido pela Amazon no ano passado por quase 1 bilhão de dólares.

O Ustream ainda está aberto a qualquer pessoa, mas é amplamente focado em clientes corporativos que usam a plataforma para alimentar alguns dos seus próprios esforços de transmissão ao vivo. (O Facebook é um desses clientes corporativos.)

Uma convergência de fatores levou ao aumento neste ano de aplicativos como o Meerkat, YouNow, e Periscope, que anunciou recentemente semana que tem 10 milhões de usuários que assistem mais de 40 anos de vídeo ao vivo por dia.

As câmeras de smartphones estão melhores do que nunca. O iPhone 6 e 6 Plus podem gravar vídeo HD 1080p a 60 quadros por segundo com estabilização automática que previne os tremores de sua mão de arruinar sua filmagem.

Banda larga móvel de alta velocidade está se tornando mais abrangente – na América do Norte, a tecnologia LTE teve 44 por cento do mercado no primeiro trimestre deste ano, de acordo com um relatório de junho da indústria de telecomunicações do grupo comercial 4G Americas.

Essa porcentagem está crescendo lentamente em outras partes do mundo. Até 2019, a Cisco prevê que o vídeo será responsável ​​por 80 por cento de todo o tráfego da Internet.

As pessoas agora estão acostumadas com vídeo ao vivo, disse o fundador e CEO da Ustream Brad Hunstable à Macworld. O vídeo é mais emocional do que o texto, disse ele.

Quer se trate de Snapchat, Facebook, Vine, ou YouTube, as pessoas são atraídas para o vídeo, vídeo ao vivo em particular, porque você “não sabe o que vai acontecer a seguir, e ele tem essa consciência coletiva de todos experimentando algo ao mesmo tempo.”

Meerkat, Periscope e YouNow, todos permitem que os telespectadores interajam com as pessoas em cena através de uma função de chat, e cada plataforma construiu uma dedicada comunidade.

Oleander responde às perguntas de telespectadores enquanto ela transmite, ou se ela está no meio de uma sessão de pintura e não presta atenção à conversa, seus fãs respondem as perguntas dos recém-chegados sobre o seu trabalho.

Essa comunidade é parte da razão por que o Huffington Post, que já tem uma seção popular de transmissão ao vivo em seu próprio site, hospeda um show ao vivo semanal de uma hora no YouNow.

Os perigos da transmissão ao vivo

O Periscope explodiu em cena com uma explosão literal – alguém usou o app no ​​dia em que foi lançado para transmitir ao vivo as consequências da queda de um edifício e incêndio no East Village de Manhattan.

As pessoas que não são jornalistas podem agora transmitir no momento de um grande evento para qualquer pessoa de qualquer lugar. É uma mudança inovadora, mas não sem suas desvantagens.

Aplicativos de transmissão ao vivo, como o YouTube e o Twitter antes deles, ainda estão lutando para serem levados a sério.

O Twitter foi muitas vezes alvo de piadas sobre descrições de almoço com 140 caracteres de seus primeiros usuários, mas agora é considerada uma plataforma de publicação de notícias de última hora.

Há problemas para resolver, como quando os usuários conseguem transmitir conteúdo com direitos autorais para ajudar outros a evitar pagar por isso.

O potencial para o abuso existe, como evidenciado em 2008, quando os espectadores de um usuário da Justin.tv incentivaram seu suicídio na câmera.

“Artistas” de transmissão ao vivo passaram a também ter as mesmas oportunidades de patrocínio que têm inundado o Instagram e o Vine com mensagens #anúncios.

Oleander ainda não aceitou uma oferta de patrocínio, embora ela diz terem havido algumas. Ela diz que hoje em dia alguns usuários compram corações para fazerem-se parecer mais populares do que são, tal como as pessoas que compram seguidores no Twitter em um esforço para serem vistas como influenciadores.

“Há pessoas que cobram por aulas de ‘Periscope’ “, disse Oleander, rindo de como as pessoas pensam em capitalizar com as tendências de mídia social.

“Venha para o meu canal e eu vou dar-lhe dicas de graça.”

Deixe um comentário